Quarta, 04 Julho 2018 17:00

CONSUMIDOR APOSTA NO ATACAREJO E NÃO ABRE MÃO DAS PROMOÇÕES

Avalie este item
(0 votos)

A mais recente edição do Consumer Insights, estudo elaborado pela Kantar que analisa dados colhidos em 11,3 mil lares brasileiros, que representa 55 milhões de residências no país, revela que os primeiros três meses do ano foram impactados pelos sinais de recuperação da economia, ainda que o desemprego tenha aumentado.

Nesse cenário, após um momento muito negativo em 2015, o começo de 2018 apresentou uma performance mais positiva em relação às unidades compradas pelos consumidores – ao indexar os valores no primeiro trimestre de 2015, o crescimento nesses três primeiros meses foi de 11% versus o resultado dos últimos 3 anos.

No entanto, o volume, tanto em toneladas quanto em litros, desenvolveu-se menos, apenas 4% acima, o que pode ser explicado pela tendência de priorizar tamanhos menores e levais mais unidades, especificamente em categorias de alimentos e bebidas. Ainda diminuindo sua freqüência de compra no longo prazo – queda de 3,1% nos 12 meses terminados em março de 2018 em comparação com o mesmo período de 2017-, há uma variação positiva de valor deflacionado de 2,5%. De acordo com a pesquisa, no curto prazo, o valor se apresenta mais estável, mesmo com o crescimento em volume, o que ocorre principalmente pela queda de 4% no preço médio, gerando queda no gasto médio dos lares com FMCG (Fast Moving Consuming Goods – Bens de Rápido Consumo).

A Região Sul foi a que mais contribuiu para o crescimento do país no longo e curto prazo (6% em volume/toneladas e 7,2% unidades por ocasião nos últimos 12 meses terminados em março 2018), enquanto Norte + Nordeste é a que mais contribuiu negativamente na comparação aos três primeiros meses de 2018 versus o mesmo período de 2017 (3,2% em volume/toneladas e 6,7% unidades por ocasião).

Os dados da Kantar revelam ainda que o consumo fora de casa cresceu 3% em volume nos primeiros três meses deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. E a elevação ocorre principalmente via ambulantes e bar. E por falar em canais, o atacarejo continua se destacando junto com farmácia e drogaria. Atacarejo ganhou 2,6 p.p. de penetração, o que representa +1.4 milhões de novos domicílios comprando no canal. Já farmácia e drogaria ganharam 2.9 p.p. de penetração, um incremento +1.6 milhões de lares. Varejo tradicional e porta a porta seguem perdendo espaço.

Ainda que a economia dê sinais de menos instabilidades, os consumidores seguem apostando em práticas da época do agravamento da crise. Marcas mais econômicas e produtos em promoção continuam na ordem do dia. Nos 12 meses terminados em março de 2018, a importância em volume (unidades) de itens em promoção foi de 16,9%. No mesmo período de 2016, o índice era de 12,8%.

Ler 10 vezes

AUMENTO DE IMPOSTOS

O próximo governo vai aumentar impostos. A questão é saber quais e de que forma. Alguns candidatos dizem que não vão aumentar, outros fazem ameaças vagas aos mais ricos. Outros dizem que reduzirão benefícios, o que é, na prática, elevar tributos. O tema é tabu no Brasil. O esforço deveria...

Leia Mais

MARFRIG RECEBE OFERTA DE COMPRA DA KEYSTONE FOODS

Unidade de alimentos processados para restaurantes está à venda.

Leia Mais

BRIGA ENTRE CHINA E EUA PODE LEVAR BRASIL A IMPORTAR SOJA

Em junho, o governo estimou que as exportações brasileiras de soja em 2018 devem totalizar 72 milhões de toneladas. O Brasil, maior exportador mundial de soja, poderá ter de importar a oleaginosa dos Estados Unidos neste ano para atender à demanda de processadores locais, disse um executivo da Anec.

Leia Mais

L’ORÉAL INVESTE EM ALTA TECNOLOGIA E TRATA MERCADO BRASILEIRO COMO PRIORIDADE

Robôs já atuam nos laboratórios da empresa. Oferecer cosméticos personalizados é uma das metas da fabricante.

Leia Mais

RECOLHIMENTOS PREVIDENCIÁRIOS

Temos recebido consultas de associados quanto ao direito ao aproveitamento de créditos decorrentes dos recolhimentos previdenciários realizados sobre descontos dos salários de seus empregados, a título de vale-transporte e vale-alimentação.

Leia Mais

CONSUMIDOR APOSTA NO ATACAREJO E NÃO ABRE MÃO DAS PROMOÇÕES

A mais recente edição do Consumer Insights, estudo elaborado pela Kantar que analisa dados colhidos em 11,3 mil lares brasileiros, que representa 55 milhões de residências no país, revela que os primeiros três meses do ano foram impactados pelos sinais de recuperação da economia, ainda que o desemprego tenha aumentado.

Leia Mais

NESTLÉ BUSCA PRODUTOS PARA ATRAIR NOVA GERAÇÃO DE CONSUMIDORES

Empresa investe U$ 1,7 bilhão por ano em pesquisa e desenvolvimento de novidades.

Leia Mais

DEPOIS DOS ELETRÔNICOS, BATON E XAMPU

LG vai vender cosméticos em farmácias e na internet.

Leia Mais

EM SEIS MESES, DEMISSÕES POR ACORDO AUMENTAM QUASE 150% NO PAÍS

Setor de serviços foi o que mais registrou casos da modalidade de rescisão em maio.

Leia Mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL VIRA ALVO DE BATALHA JUDICIAL

Ações triplicam e chegam a 15,5 mil com mudanças na lei trabalhista. Sindicatos tentam manter cobrança, e trabalhadores buscam garantir isenção.

Leia Mais

NA CRISE, FAMILIAS TIRARAM ATÉ FRALDA DA CESTA DE COMPRAS

Com vendas em queda e preço maior, consumidor limita uso do produto.

Leia Mais

ROTA DE FUGA – Empresas apostam em operação no exterior para crescer. Em 3 anos, subsidiárias aumentaram 47%

Empresas apostam em operação no exterior para crescer. Em 3 anos, subsidiárias aumentaram 47%.

Leia Mais

REGRA AFETA EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL ANUAL

Entrou em vigor no final de maio a Lei 13.670, cujo texto restringe compensações tributárias. Agora, empresas optantes pelo lucro real anual não podem mais realizar  o pagamento das estimativas mensais de IRPJ e da CSLL por meio de compensação com os valores que tinham a receber do Fisco.

Leia Mais

ARTIGOS DE LIMPEZA EM CÁPSULAS

De olho no mercado sustentável, dupla produz artigos de limpeza e aposta no modelo de venda por assinatura.

Leia Mais

ADIVINHA QUEM VAI PAGAR A CONTA...

A paralisação dos caminhoneiros provocou perdas em todos os setores da economia e mudou a rotina dos brasileiros. Segundo cálculos do economista da FGV Claudio Considera, o país deve ter perdido R$ 10 bilhões diários com a greve. O déficit fiscal do governo deve subir para R$ 150 bilhões, e...

Leia Mais