Quinta, 12 Abril 2018 22:21

EMPRESAS SE ARMAM CONTRA BOATOS

Avalie este item
(0 votos)

Estratégia é monitorar redes sociais, recorrer à tecnologia e reagir rapidamente às “fake news”.
Em minutos, a reputação pode ser abalada. Notícia falsa pode afetar relevância das marcas... 

A proliferação de notícias falsas nas redes sociais vem atingindo com freqüência cada vez maior algumas das marcas mais populares do país. De refrigerantes a produtos de lácteos, as empresas buscam a tecnologia e tentam reagir rapidamente para minimizar os efeitos nocivos das fake news. Mas, segundo especialistas, é preciso mais iniciativa e conscientização. Do consumidor,. Para não compartilhar informações de origem duvidosa. E das próprias companhias, que precisam estimular os internautas a terem mais responsabilidade na hora de repassar informações para amigos e redes de contato.
Na internet, o boato geralmente vem acompanhado de vídeos e imagens, dizem as empresas.
Segundo Luther Peczan, vice-presidente da empresa de marketing Webedia, as notícias falsas tomam proporções gigantescas em pouco tempo, afetando a reputação das marcas. E, afirma ele, se a companhia, não estiver preparada, não consegue reagir rapidamente e da forma certa.
- As redes sociais atuam como amplificador do fenômeno, mas não é um problema exclusivo delas. Existem também muitos sites falsos. O desafio é ter ferramentas simples e eficazes para denunciar e atirar esse conteúdo do ar – destaca. –O consumidor, por outro lado, tem um papel importante, verificando pó que compartilha. Mas, para isso, ele mesmo tem que reconhecer essa informação como falsa, o que nem sempre é evidente.
Responsabilidade ao propagar conteúdo
Segundo o sociólogo e antropólogo Fred Lucio, coordenador da ESPM Social, as redes sociais aumentaram a amplitude da propagação de notícias falsas, o que gera uma reação rápida em plataformas importantes como Facebook e Twitter, que misturam notícias e informações pessoais de seus usuários, além do WhastApp:
- Em muitos casos, as empresas conseguem antecipar possíveis problemas pois investem em tecnologia de rastreamento do que acontece na internet. Mas, o consumidor é responsável pelo que compartilha e, assim, de certa forma, gera seu próprio conteúdo. É importante que essas companhias invistam em campanhas de responsabilidade párea conscientizar o usuário de que não se pode compartilhar notícias sem que se saiba a origem.
Por isso, Flavio Martino, diretor de desenvolvimento da agência Heads, destaca a necessidade de o próprio consumidor ser responsável pelo que compartilha nas redes sociais.
- A grande maioria propaga e não gera o conteúdo. É importante ter responsabilidade nas duas ações.

Ler 8 vezes

Portal Único do Comércio Exterior passa a valer para os pequenos negócios

A partir do dia 02 de julho, as micro e pequenas empresas exportadoras do país deverão utilizar o Portal Único do Comércio Exterior.

Leia Mais

Pesquisa estima que cosméticos orgânicos movimentem U$ 25,1 bilhões até 2025

Brasil surge como o principal mercado na América Latina e produtos para a pele são os que terão maior expansão no período.

Leia Mais

48% das marcas que cresceram na lembrança do varejista pertencem a três seções

. Mercearia de alto giro – Seção que reúne categorias de consumo rotineiro, a mercearia de alto giro vem historicamente sendo responsável pelo avanço de diferentes marcas, refletindo o perfil commodity – os produtos têm basicamente o mesmo nível de qualidade, o que libera o consumidor para substituição de marcas...

Leia Mais

EMPRESAS SE ARMAM CONTRA BOATOS

Estratégia é monitorar redes sociais, recorrer à tecnologia e reagir rapidamente às “fake news”.Em minutos, a reputação pode ser abalada. Notícia falsa pode afetar relevância das marcas... 

Leia Mais

REDES DE VAREJO RESTRINGEM TROCA À LOJA ONDE ITEM FOI COMPRADO

A burocracia do sistema tributário brasileiro, queixa freqüente de empresários, anda tirando o bom humor dos consumidores.

Leia Mais

PRODUTOS BRASILEIROS GANHAM COM ALTA DE PREÇOS DA SOJA

País terá novo recorde da safra do grão, cuja cotação já sobe com previsão de menos oferta.

Leia Mais

E-BOOK DESIGN DE EMBALAGENS É LANÇADO

O e-Book Design de embalagens – Guia Definitivo, de Fabio Mestriner foi lançado pela Ibema, e pode ser baixado gratuitamente no site www.ibema.com.br

Leia Mais

BRASKEM PRESERVA A QUALIDADE DO PAPAYA

A Braskem desenvolveu em parceria com a Union of Growers of Brazilian papaya (UGBP) uma nova solução em embalagem plástica exclusiva para o mercado de mamão papaia.

Leia Mais

L’ORÉAL COMPRA EMPRESA DE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL MODIFACE

Gigante da beleza parte para a inovação digital e adquire companhia canadense especializada em realidade aumentada e inteligência artificial.

Leia Mais

ATACAREJO CRESCE MAIS QUE SUPERMERCADO EM 2017

O montante de R$ 353,2 bilhões foi o faturamento registrado pelo setor supermercadista em 2017, 4,3% a mais que o valor registrado em 2016 (R$ 338,7 bilhões).

Leia Mais

BRASIL CENTRAL BUSCA NEGÓCIOS NO EXTERIOR

Estados reunidos em consórcio querem parcerias.

Leia Mais

IR – DECLARAÇÃO DE IMÓVEL

A partir de 2019, na declaração de imóveis do Imposto de Renda, o morador terá que fornecer mais informações sobre o seu bem: data de aquisição, área total, Registro de Inscrição ou algum documento que comprove a posse, endereço completo e inscrição do IPTU.

Leia Mais

ROBÔS, E-MAILS E SMS NO LUGAR DOS ATENDENTES

Com uso de tecnologia, empresas começam a substituir serviço de “call center” na cobrança de dívidas.

Leia Mais

O NOVO CONSUMIDOR QUER TRANSPARÊNCIA

No futuro, teremos mais engenheiros e cientistas trabalhando nas indústrias do que em qualquer outra época, por causa dos dados e da inteligência artificial.

Leia Mais

PORTAS FECHADAS AFASTAM JOVENS DE ESTUDO E TRABALHO

Desmotivação, falta de confiança e de políticas públicas justificam número de “nem-nem”, segundo Banco Mundial.

Leia Mais

Assine nossa newsletter

Tenha todas notícias no seu email.

Assinar

Newsletter


Preencha com seu nome e email os campos abaixo

É gratuito!!