Quarta, 14 Março 2018 20:00

MARKETING

Avalie este item
(1 Votar)

Você está no mercado fazendo suas compras de mês e vai escolher o suco. Em uma prateleira, encontra um artificial de manga, sem muitas informações sobre a procedência do produto na embalagem.

Em contrapartida, há o suco de uma outra marca, cuja embalagem fala de sustentabilidade, produção artesanal, promessa de gomos da própria fruta, produto orgânico etc. O preço? Obviamente muito superior ao do concorrente, porém, mesmo assim, você se sente tentado a levá-lo para casa. Mas, afinal de contas, será mesmo que os dois produtos se diferenciam tanto assim? 
A verdade é que o mero cuidado de dar uma roupagem mais saudável, natural e gourmetizada para um produto faz, com muita facilidade, que suas vendas aumentem. Isso não ocorre somente porque a embalagem agrada aos nossos olhos. A verdade é que a percepção, em nosso cérebro, de um produto muda dependendo da forma como ele é apresentado.
Em 2011, os pesquisadores publicaram um estudo na revista acadêmica “Journal of Consumer Research”, o qual mostrou o impacto, por exemplo, da mudança de nomes em produtos alimentícios. Pessoas que fazem dieta tendem a recusar alimentos que pareçam excessivamente calóricos, mas a pesquisa mostrou que os mesmos produtos têm aceitação diferente só com a mudança de nome.
Em um dos testes, um prato contendo macarrão, carne, queijo e vegetais foi chamado de “macarrão”, e os participantes tiveram uma visão negativa, considerando-o pouco saudável. Outros participantes receberam um prato com a mesma composição, que, dessa vez, foi chamado de “salada”, e os participantes tiveram a impressão de estar consumindo algo nutritivo e saudável.
O mesmo aconteceu com bebidas. Um milk-shake não foi visto com bons olhos pelos participantes, mas, ao ser chamado de smoothie, o mesmo produto deixou-os com uma boa impressão. Ou seja, a forma como o produto foi batizado alterou completamente a percepção dos participantes do estudo. Pense bem: comer um prato calórico, mas com a idéia de que está comendo apenas uma saladinha, traz um alívio para a consciência, não é mesmo?
Com esse mesmo tipo de tática, o marketing consegue convencer as pessoas a comprarem uma comida congelada e cheia de conservantes por um preço muito superior à média de mercado, tudo isso porque investiu em uma embalagem com toques de personalização e por “contar uma história” – o chamado storytelling – que fala sobre uma receita passada de geração em geração ou de produção artesanal, cuidado com os ingredientes, assim por diante.
As premissas do consumo sustentável deixaram o consumidor mais exigente com aquilo que ele leva para a casa. É natural que as pessoas busquem mais informações sobre a procedência daquilo que estão consumindo e que se preocupem em manter uma alimentação mais saudável. No entanto, o marketing da indústria alimentícia também usa isso como arma, e é preciso ter cuidado para não se deixar enganar por uma história bonita e bem contada.
Muitas vezes, estamos apenas pagando mais para consumir aquilo que já consumíamos antes.
A única diferença é que a embalagem tem uma apresentação melhor, e o nome do produto é mais chamativo. Como diz o velho ditado, nem tudo que reluz é ouro... e isso vale para qualquer setor...
Você está no mercado fazendo suas compras de mês e vai escolher o suco. Em uma prateleira, encontra um artificial de manga, sem muitas informações sobre a procedência do produto na embalagem. Em contrapartida, há o suco de uma outra marca, cuja embalagem fala de sustentabilidade, produção artesanal, promessa de gomos da própria fruta, produto orgânico etc. O preço? Obviamente muito superior ao do concorrente, porém, mesmo assim, você se sente tentado a levá-lo para casa. Mas, afinal de contas, será mesmo que os dois produtos se diferenciam tanto assim? LEIA MAIS...
A verdade é que o mero cuidado de dar uma roupagem mais saudável, natural e gourmetizada para um produto faz, com muita facilidade, que suas vendas aumentem. Isso não ocorre somente porque a embalagem agrada aos nossos olhos. A verdade é que a percepção, em nosso cérebro, de um produto muda dependendo da forma como ele é apresentado.
Em 2011, os pesquisadores publicaram um estudo na revista acadêmica “Journal of Consumer Research”, o qual mostrou o impacto, por exemplo, da mudança de nomes em produtos alimentícios. Pessoas que fazem dieta tendem a recusar alimentos que pareçam excessivamente calóricos, mas a pesquisa mostrou que os mesmos produtos têm aceitação diferente só com a mudança de nome.
Em um dos testes, um prato contendo macarrão, carne, queijo e vegetais foi chamado de “macarrão”, e os participantes tiveram uma visão negativa, considerando-o pouco saudável. Outros participantes receberam um prato com a mesma composição, que, dessa vez, foi chamado de “salada”, e os participantes tiveram a impressão de estar consumindo algo nutritivo e saudável.
O mesmo aconteceu com bebidas. Um milk-shake não foi visto com bons olhos pelos participantes, mas, ao ser chamado de smoothie, o mesmo produto deixou-os com uma boa impressão. Ou seja, a forma como o produto foi batizado alterou completamente a percepção dos participantes do estudo. Pense bem: comer um prato calórico, mas com a idéia de que está comendo apenas uma saladinha, traz um alívio para a consciência, não é mesmo?
Com esse mesmo tipo de tática, o marketing consegue convencer as pessoas a comprarem uma comida congelada e cheia de conservantes por um preço muito superior à média de mercado, tudo isso porque investiu em uma embalagem com toques de personalização e por “contar uma história” – o chamado storytelling – que fala sobre uma receita passada de geração em geração ou de produção artesanal, cuidado com os ingredientes, assim por diante.
As premissas do consumo sustentável deixaram o consumidor mais exigente com aquilo que ele leva para a casa. É natural que as pessoas busquem mais informações sobre a procedência daquilo que estão consumindo e que se preocupem em manter uma alimentação mais saudável. No entanto, o marketing da indústria alimentícia também usa isso como arma, e é preciso ter cuidado para não se deixar enganar por uma história bonita e bem contada.
Muitas vezes, estamos apenas pagando mais para consumir aquilo que já consumíamos antes.
A única diferença é que a embalagem tem uma apresentação melhor, e o nome do produto é mais chamativo. Como diz o velho ditado, nem tudo que reluz é ouro... e isso vale para qualquer setor...

Ler 60 vezes

PARA VENCER A RAZÃO...

No caos que nos atordoa, às vésperas de uma eleição que nos parece imprevisível e decisiva, o que nos consola é saber que o tempo que vivemos vai passar um dia.

Leia Mais

RENDA DE 35% DOS BRASILEIROS É INSUFICIENTE PARA PAGAR AS PRÓPRIAS CONTAS

A renda de 35% dos brasileiros é insuficiente para pagar as contas em dia, mostrou levantamento feita pela CNDL e SPC.

Leia Mais

INTERNAUTA TEM MIGRADO COMPRA POR MARCAS MAIS ECONÔMICAS

O internauta brasileiro está trocando marcas de alimentos mais caras por outras mais econômicas. É o que mostra um estudo do Ibope Conecta sobre alimentação. De acordo com a pesquisa, 69% dos ouvidos estão trocando por alimentos de marcas mais baratas.

Leia Mais

PREÇO DECIDE COMPRAS ONLINE

Levantamento afirma que 67% dos consumidores de lojas virtuais de fora do país consideram que produtos com valores menores são a principal vantagem. Entre os itens mais comprados, estão roupas, calçados e acessórios. 

Leia Mais

FGTS CONSIGNADO

O Ministério do Trabalho está dando os retoques finais num projeto para alavancar os empréstimos consignados para o trabalhador da iniciativa privada, atrelando como garantia os recursos do FGTS. A proposta, que terá que passar pelo crivo do Conselho Curador do FGTS, vai baixar os juros do consignado para o...

Leia Mais

BRASIL FICA ENTRE OS ÚLTIMOS EM RANKING DE CRESCIMENTO

Expansão foi uma das piores em lista de 43 países, superando apenas Hong Kong e México.

Leia Mais

NAS LOJAS, JUROS NAS ALTURAS

Varejista é mais tolerante com devedor para manter relação.Redes ganham com parcelamento. Para consumidor, todo cuidado é pouco.

Leia Mais

CLIENTES DO ATACAREJO VOLTAM A PROCURAR MARCAS LÍDERES

Os clientes do atacarejo voltaram a priorizar as marcas líderes na hora de montar a cesta de compras, principalmente em itens básicos, como arroz, feijão e óleo de cozinha, Para 58% dos clientes que consomem estes produtos, a marca é mais importante do que o preço.

Leia Mais

BRASIL NA ROTA DO ENVELHECIMENTO

O Brasil terá mais idosos do que crianças e adolescentes, de até 15 anos, no prazo de duas décadas. O dado está em projeção divulgada pelo IBGE, no mês de julho, que aponta que o Brasil está em trajetória de envelhecimento e, em 21 anos, o número de idosos, com...

Leia Mais

CERVEJAS APOSTAM EM MACONHA PARA CRESCER

O que as cervejarias americanas estão fazendo para se proteger contra a queda no crescimento de sua principal operação? No caso da empresa mãe da Corona, investindo com força na indústria da maconha.

Leia Mais

MARFRIG VENDE KEYSTONE E SEU VALOR ENCOLHE R$ 397 MILHÕES

Operação com a americana Tyson Foods por U$ 2,5 bi não foi confirmada oficialmente. Para analistas, mudança ajudará a reduzir endividamento.

Leia Mais

INADIMPLÊNCIA DEPENDE DE EMPREGOS E RENDA

O número de brasileiros inadimplentes se mostra estável, mas em patamar elevado.

Leia Mais

DADOS MOSTRAM RETOMADA DE CENÁRIO NO BRASIL

Os indicadores macroeconômicos recém divulgados mostram que voltamos, em partes, ao cenário anterior à greve dos caminhoneiros, mas a demanda segue fraca com a manutenção da desconfiança e do desemprego alto.

Leia Mais

ENTIDADES CONTESTAM TABELAMENTO DE FRETES

A CNA entrou com um novo pedido no STF para suspender o tabelamento mínimo de fretes, sancionado pelo presidente Temer.

Leia Mais

EXPORTAÇÃO DE GLICERINA ATINGE MARCA DE 40 TONELADAS EM JULHO

As exportações brasileiras de glicerina voltaram a bater recordes no mês de julho segundo os números mais recentes da balança comercial brasileira divulgado pelo ministério da indústria e Comércio Exterior e serviços.

Leia Mais