Quarta, 14 Março 2018 20:00

MARKETING

Avalie este item
(1 Votar)

Você está no mercado fazendo suas compras de mês e vai escolher o suco. Em uma prateleira, encontra um artificial de manga, sem muitas informações sobre a procedência do produto na embalagem.

Em contrapartida, há o suco de uma outra marca, cuja embalagem fala de sustentabilidade, produção artesanal, promessa de gomos da própria fruta, produto orgânico etc. O preço? Obviamente muito superior ao do concorrente, porém, mesmo assim, você se sente tentado a levá-lo para casa. Mas, afinal de contas, será mesmo que os dois produtos se diferenciam tanto assim? 
A verdade é que o mero cuidado de dar uma roupagem mais saudável, natural e gourmetizada para um produto faz, com muita facilidade, que suas vendas aumentem. Isso não ocorre somente porque a embalagem agrada aos nossos olhos. A verdade é que a percepção, em nosso cérebro, de um produto muda dependendo da forma como ele é apresentado.
Em 2011, os pesquisadores publicaram um estudo na revista acadêmica “Journal of Consumer Research”, o qual mostrou o impacto, por exemplo, da mudança de nomes em produtos alimentícios. Pessoas que fazem dieta tendem a recusar alimentos que pareçam excessivamente calóricos, mas a pesquisa mostrou que os mesmos produtos têm aceitação diferente só com a mudança de nome.
Em um dos testes, um prato contendo macarrão, carne, queijo e vegetais foi chamado de “macarrão”, e os participantes tiveram uma visão negativa, considerando-o pouco saudável. Outros participantes receberam um prato com a mesma composição, que, dessa vez, foi chamado de “salada”, e os participantes tiveram a impressão de estar consumindo algo nutritivo e saudável.
O mesmo aconteceu com bebidas. Um milk-shake não foi visto com bons olhos pelos participantes, mas, ao ser chamado de smoothie, o mesmo produto deixou-os com uma boa impressão. Ou seja, a forma como o produto foi batizado alterou completamente a percepção dos participantes do estudo. Pense bem: comer um prato calórico, mas com a idéia de que está comendo apenas uma saladinha, traz um alívio para a consciência, não é mesmo?
Com esse mesmo tipo de tática, o marketing consegue convencer as pessoas a comprarem uma comida congelada e cheia de conservantes por um preço muito superior à média de mercado, tudo isso porque investiu em uma embalagem com toques de personalização e por “contar uma história” – o chamado storytelling – que fala sobre uma receita passada de geração em geração ou de produção artesanal, cuidado com os ingredientes, assim por diante.
As premissas do consumo sustentável deixaram o consumidor mais exigente com aquilo que ele leva para a casa. É natural que as pessoas busquem mais informações sobre a procedência daquilo que estão consumindo e que se preocupem em manter uma alimentação mais saudável. No entanto, o marketing da indústria alimentícia também usa isso como arma, e é preciso ter cuidado para não se deixar enganar por uma história bonita e bem contada.
Muitas vezes, estamos apenas pagando mais para consumir aquilo que já consumíamos antes.
A única diferença é que a embalagem tem uma apresentação melhor, e o nome do produto é mais chamativo. Como diz o velho ditado, nem tudo que reluz é ouro... e isso vale para qualquer setor...
Você está no mercado fazendo suas compras de mês e vai escolher o suco. Em uma prateleira, encontra um artificial de manga, sem muitas informações sobre a procedência do produto na embalagem. Em contrapartida, há o suco de uma outra marca, cuja embalagem fala de sustentabilidade, produção artesanal, promessa de gomos da própria fruta, produto orgânico etc. O preço? Obviamente muito superior ao do concorrente, porém, mesmo assim, você se sente tentado a levá-lo para casa. Mas, afinal de contas, será mesmo que os dois produtos se diferenciam tanto assim? LEIA MAIS...
A verdade é que o mero cuidado de dar uma roupagem mais saudável, natural e gourmetizada para um produto faz, com muita facilidade, que suas vendas aumentem. Isso não ocorre somente porque a embalagem agrada aos nossos olhos. A verdade é que a percepção, em nosso cérebro, de um produto muda dependendo da forma como ele é apresentado.
Em 2011, os pesquisadores publicaram um estudo na revista acadêmica “Journal of Consumer Research”, o qual mostrou o impacto, por exemplo, da mudança de nomes em produtos alimentícios. Pessoas que fazem dieta tendem a recusar alimentos que pareçam excessivamente calóricos, mas a pesquisa mostrou que os mesmos produtos têm aceitação diferente só com a mudança de nome.
Em um dos testes, um prato contendo macarrão, carne, queijo e vegetais foi chamado de “macarrão”, e os participantes tiveram uma visão negativa, considerando-o pouco saudável. Outros participantes receberam um prato com a mesma composição, que, dessa vez, foi chamado de “salada”, e os participantes tiveram a impressão de estar consumindo algo nutritivo e saudável.
O mesmo aconteceu com bebidas. Um milk-shake não foi visto com bons olhos pelos participantes, mas, ao ser chamado de smoothie, o mesmo produto deixou-os com uma boa impressão. Ou seja, a forma como o produto foi batizado alterou completamente a percepção dos participantes do estudo. Pense bem: comer um prato calórico, mas com a idéia de que está comendo apenas uma saladinha, traz um alívio para a consciência, não é mesmo?
Com esse mesmo tipo de tática, o marketing consegue convencer as pessoas a comprarem uma comida congelada e cheia de conservantes por um preço muito superior à média de mercado, tudo isso porque investiu em uma embalagem com toques de personalização e por “contar uma história” – o chamado storytelling – que fala sobre uma receita passada de geração em geração ou de produção artesanal, cuidado com os ingredientes, assim por diante.
As premissas do consumo sustentável deixaram o consumidor mais exigente com aquilo que ele leva para a casa. É natural que as pessoas busquem mais informações sobre a procedência daquilo que estão consumindo e que se preocupem em manter uma alimentação mais saudável. No entanto, o marketing da indústria alimentícia também usa isso como arma, e é preciso ter cuidado para não se deixar enganar por uma história bonita e bem contada.
Muitas vezes, estamos apenas pagando mais para consumir aquilo que já consumíamos antes.
A única diferença é que a embalagem tem uma apresentação melhor, e o nome do produto é mais chamativo. Como diz o velho ditado, nem tudo que reluz é ouro... e isso vale para qualquer setor...

Ler 17 vezes

Portal Único do Comércio Exterior passa a valer para os pequenos negócios

A partir do dia 02 de julho, as micro e pequenas empresas exportadoras do país deverão utilizar o Portal Único do Comércio Exterior.

Leia Mais

Pesquisa estima que cosméticos orgânicos movimentem U$ 25,1 bilhões até 2025

Brasil surge como o principal mercado na América Latina e produtos para a pele são os que terão maior expansão no período.

Leia Mais

48% das marcas que cresceram na lembrança do varejista pertencem a três seções

. Mercearia de alto giro – Seção que reúne categorias de consumo rotineiro, a mercearia de alto giro vem historicamente sendo responsável pelo avanço de diferentes marcas, refletindo o perfil commodity – os produtos têm basicamente o mesmo nível de qualidade, o que libera o consumidor para substituição de marcas...

Leia Mais

MEDIDAS FISCAIS NÃO AVANÇAM, E GOVERNO PODE PERDER R$ 39 BI

É o quanto o governo pode perder com medidas fiscais que tiveram vetos derrubados ou cuja votação está emperrada no Congresso.

Leia Mais

EMPRESAS SE ARMAM CONTRA BOATOS

Estratégia é monitorar redes sociais, recorrer à tecnologia e reagir rapidamente às “fake news”.Em minutos, a reputação pode ser abalada. Notícia falsa pode afetar relevância das marcas... 

Leia Mais

REDES DE VAREJO RESTRINGEM TROCA À LOJA ONDE ITEM FOI COMPRADO

A burocracia do sistema tributário brasileiro, queixa freqüente de empresários, anda tirando o bom humor dos consumidores.

Leia Mais

PRODUTOS BRASILEIROS GANHAM COM ALTA DE PREÇOS DA SOJA

País terá novo recorde da safra do grão, cuja cotação já sobe com previsão de menos oferta.

Leia Mais

E-BOOK DESIGN DE EMBALAGENS É LANÇADO

O e-Book Design de embalagens – Guia Definitivo, de Fabio Mestriner foi lançado pela Ibema, e pode ser baixado gratuitamente no site www.ibema.com.br

Leia Mais

L’ORÉAL COMPRA EMPRESA DE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL MODIFACE

Gigante da beleza parte para a inovação digital e adquire companhia canadense especializada em realidade aumentada e inteligência artificial.

Leia Mais

ATACAREJO CRESCE MAIS QUE SUPERMERCADO EM 2017

O montante de R$ 353,2 bilhões foi o faturamento registrado pelo setor supermercadista em 2017, 4,3% a mais que o valor registrado em 2016 (R$ 338,7 bilhões).

Leia Mais

BRASIL CENTRAL BUSCA NEGÓCIOS NO EXTERIOR

Estados reunidos em consórcio querem parcerias.

Leia Mais

IR – DECLARAÇÃO DE IMÓVEL

A partir de 2019, na declaração de imóveis do Imposto de Renda, o morador terá que fornecer mais informações sobre o seu bem: data de aquisição, área total, Registro de Inscrição ou algum documento que comprove a posse, endereço completo e inscrição do IPTU.

Leia Mais

ROBÔS, E-MAILS E SMS NO LUGAR DOS ATENDENTES

Com uso de tecnologia, empresas começam a substituir serviço de “call center” na cobrança de dívidas.

Leia Mais

O NOVO CONSUMIDOR QUER TRANSPARÊNCIA

No futuro, teremos mais engenheiros e cientistas trabalhando nas indústrias do que em qualquer outra época, por causa dos dados e da inteligência artificial.

Leia Mais

PORTAS FECHADAS AFASTAM JOVENS DE ESTUDO E TRABALHO

Desmotivação, falta de confiança e de políticas públicas justificam número de “nem-nem”, segundo Banco Mundial.

Leia Mais

Assine nossa newsletter

Tenha todas notícias no seu email.

Assinar

Newsletter


Preencha com seu nome e email os campos abaixo

É gratuito!!