Quarta, 29 Novembro 2017 18:28

NOVAS ECONOMIAS: O INTANGÍVEL COMO MATÉRIA-PRIMA

Avalie este item
(0 votos)

Associado a tecnologias inovadoras, o compartilhamento de ideias e de espaços permite que empresas ampliem suas redes de negócios e incorporem habilidades e competências.

É hora de atualizar conceitos básicos dos manuais de empreendedorismo. Em tempos de desmonte das cadeias produtivas tradicionais, os novos modelos de negócios não incitam mais a competição entre empresas ou pessoas – e sim a colaboração mútua como vetor de crescimento. Trata-se de unir forças para avançar juntos. Essa dinâmica, baseada em processos de networking, tem contribuído para reconfigurar as formas de produção e impacta diretamente nas relações de consumo.
O compartilhamento de idéias, projetos e locais de trabalho está longe de ser algo inédito. Mas, associado a novas tecnologias, permite que empresas ampliem suas redes de negócios e incorporem habilidades e competências. Em todo o mundo, a economia compartilhada deverá movimentar cerca de 335 bilhões de dólares em 2025, segundo projeções da consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC). Esse valor representa 20 vezes o total apurado em 2014. O espírito colaborativo serve cada vez mais de referência para novos empreendimentos que se desenvolvem a partir da soma de inteligências.
Esse movimento é pesquisado pela futurista Lala Deheinzelin, pioneira em economia criativa e colaborativa como estratégia de desenvolvimento.
Segundo ela, o momento atual não é de crise, e sim de transição de modelos. Uma transição nas formas de empreender, de gerir e – é claro – de viver. Fundadora do movimento Crie Futuros, Lala procura identificar, de forma colaborativa, os cenários desejáveis para empresas.
- Nossos problemas são de ordem exponencial, mas nossa capacidade de resolvê-los é linear e lenta. Portanto, a chave para a sustentabilidade é trazer para o cotidiano o que é exponencial – explica ela, que atua como consultora do sistema S (conjunto de instituições de interesse de categorias profissionais, como Sebrae, SENAI, SENAC e Senat, por exemplo) e também de empresas de ponta em matéria de inovação.
Mas como fazer isso? Segundo a futurista, a resposta vem das novas economias. São modelos que usam o intangível como matéria-prima, ou seja, valores que não estão no mundo material (Economia Criativa); que usam a tecnologia para otimizar infraestrutura disponível (Economia Compartilhada); que recorrem a modelos de gestão distribuída (Economia Colaborativa); e através de recursos culturais, ambientais e sociais (Economia Multivalor). Essa combinação tem o nome de Fluxonomia 4D.
- A nova economia é baseada no intangível, na criatividade, no conhecimento e na cultura. São valores que não se esgotam. De nada adianta ter recursos ambientais ou financeiros se não houver conhecimento e pessoas para trabalhar com eles. Para sair dessa situação paradoxal de escassez, diante de tantos recursos abundantes, é preciso dar visibilidade e atribuir valor a recursos e resultados nas quatro dimensões da sustentabilidade – afirma.
Para Lala, somente esse sistema permite fazer a transição de uma economia de consumo (modelo de competição e escassez) para uma economia do cuidar (modelo de colaboração e abundância).

Ler 76 vezes

BRASIL NA ROTA DO ENVELHECIMENTO

O Brasil terá mais idosos do que crianças e adolescentes, de até 15 anos, no prazo de duas décadas. O dado está em projeção divulgada pelo IBGE, no mês de julho, que aponta que o Brasil está em trajetória de envelhecimento e, em 21 anos, o número de idosos, com...

Leia Mais

OMO GANHA EMBALAGEM DE PLÁSTICO RECICLADO

A linha do lava-roupas Omo Multiação, produto da Unilever, ganhou uma edição especial com embalagem produzida com plástico reciclado recolhido do litoral brasileiro.

Leia Mais

MERCADO DE LIMPEZA DOMÉSTICA CRESCE; ATACAREJO SE DESTACA ENTRE OS CANAIS E PRATICIDADE GANHA IMPORTÂNCIA

Em uma época na qual o termo "tempo é dinheiro" não poderia ter uma conotação mais literal, as escolhas de consumo têm sido diretamente impactadas pela necessidade da realização de tarefas da forma mais prática possível - segundo a Kantar Consulting, 82% dos consumidores buscam cada vez mais formas de...

Leia Mais

PARA VENCER A RAZÃO...

No caos que nos atordoa, às vésperas de uma eleição que nos parece imprevisível e decisiva, o que nos consola é saber que o tempo que vivemos vai passar um dia.

Leia Mais

RENDA DE 35% DOS BRASILEIROS É INSUFICIENTE PARA PAGAR AS PRÓPRIAS CONTAS

A renda de 35% dos brasileiros é insuficiente para pagar as contas em dia, mostrou levantamento feita pela CNDL e SPC.

Leia Mais

INTERNAUTA TEM MIGRADO COMPRA POR MARCAS MAIS ECONÔMICAS

O internauta brasileiro está trocando marcas de alimentos mais caras por outras mais econômicas. É o que mostra um estudo do Ibope Conecta sobre alimentação. De acordo com a pesquisa, 69% dos ouvidos estão trocando por alimentos de marcas mais baratas.

Leia Mais

PREÇO DECIDE COMPRAS ONLINE

Levantamento afirma que 67% dos consumidores de lojas virtuais de fora do país consideram que produtos com valores menores são a principal vantagem. Entre os itens mais comprados, estão roupas, calçados e acessórios. 

Leia Mais

FGTS CONSIGNADO

O Ministério do Trabalho está dando os retoques finais num projeto para alavancar os empréstimos consignados para o trabalhador da iniciativa privada, atrelando como garantia os recursos do FGTS. A proposta, que terá que passar pelo crivo do Conselho Curador do FGTS, vai baixar os juros do consignado para o...

Leia Mais

BRASIL FICA ENTRE OS ÚLTIMOS EM RANKING DE CRESCIMENTO

Expansão foi uma das piores em lista de 43 países, superando apenas Hong Kong e México.

Leia Mais

NAS LOJAS, JUROS NAS ALTURAS

Varejista é mais tolerante com devedor para manter relação.Redes ganham com parcelamento. Para consumidor, todo cuidado é pouco.

Leia Mais

CLIENTES DO ATACAREJO VOLTAM A PROCURAR MARCAS LÍDERES

Os clientes do atacarejo voltaram a priorizar as marcas líderes na hora de montar a cesta de compras, principalmente em itens básicos, como arroz, feijão e óleo de cozinha, Para 58% dos clientes que consomem estes produtos, a marca é mais importante do que o preço.

Leia Mais

CERVEJAS APOSTAM EM MACONHA PARA CRESCER

O que as cervejarias americanas estão fazendo para se proteger contra a queda no crescimento de sua principal operação? No caso da empresa mãe da Corona, investindo com força na indústria da maconha.

Leia Mais

MARFRIG VENDE KEYSTONE E SEU VALOR ENCOLHE R$ 397 MILHÕES

Operação com a americana Tyson Foods por U$ 2,5 bi não foi confirmada oficialmente. Para analistas, mudança ajudará a reduzir endividamento.

Leia Mais

INADIMPLÊNCIA DEPENDE DE EMPREGOS E RENDA

O número de brasileiros inadimplentes se mostra estável, mas em patamar elevado.

Leia Mais

DADOS MOSTRAM RETOMADA DE CENÁRIO NO BRASIL

Os indicadores macroeconômicos recém divulgados mostram que voltamos, em partes, ao cenário anterior à greve dos caminhoneiros, mas a demanda segue fraca com a manutenção da desconfiança e do desemprego alto.

Leia Mais