Quarta, 29 Novembro 2017 18:28

NOVAS ECONOMIAS: O INTANGÍVEL COMO MATÉRIA-PRIMA

Avalie este item
(0 votos)

Associado a tecnologias inovadoras, o compartilhamento de ideias e de espaços permite que empresas ampliem suas redes de negócios e incorporem habilidades e competências.

É hora de atualizar conceitos básicos dos manuais de empreendedorismo. Em tempos de desmonte das cadeias produtivas tradicionais, os novos modelos de negócios não incitam mais a competição entre empresas ou pessoas – e sim a colaboração mútua como vetor de crescimento. Trata-se de unir forças para avançar juntos. Essa dinâmica, baseada em processos de networking, tem contribuído para reconfigurar as formas de produção e impacta diretamente nas relações de consumo.
O compartilhamento de idéias, projetos e locais de trabalho está longe de ser algo inédito. Mas, associado a novas tecnologias, permite que empresas ampliem suas redes de negócios e incorporem habilidades e competências. Em todo o mundo, a economia compartilhada deverá movimentar cerca de 335 bilhões de dólares em 2025, segundo projeções da consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC). Esse valor representa 20 vezes o total apurado em 2014. O espírito colaborativo serve cada vez mais de referência para novos empreendimentos que se desenvolvem a partir da soma de inteligências.
Esse movimento é pesquisado pela futurista Lala Deheinzelin, pioneira em economia criativa e colaborativa como estratégia de desenvolvimento.
Segundo ela, o momento atual não é de crise, e sim de transição de modelos. Uma transição nas formas de empreender, de gerir e – é claro – de viver. Fundadora do movimento Crie Futuros, Lala procura identificar, de forma colaborativa, os cenários desejáveis para empresas.
- Nossos problemas são de ordem exponencial, mas nossa capacidade de resolvê-los é linear e lenta. Portanto, a chave para a sustentabilidade é trazer para o cotidiano o que é exponencial – explica ela, que atua como consultora do sistema S (conjunto de instituições de interesse de categorias profissionais, como Sebrae, SENAI, SENAC e Senat, por exemplo) e também de empresas de ponta em matéria de inovação.
Mas como fazer isso? Segundo a futurista, a resposta vem das novas economias. São modelos que usam o intangível como matéria-prima, ou seja, valores que não estão no mundo material (Economia Criativa); que usam a tecnologia para otimizar infraestrutura disponível (Economia Compartilhada); que recorrem a modelos de gestão distribuída (Economia Colaborativa); e através de recursos culturais, ambientais e sociais (Economia Multivalor). Essa combinação tem o nome de Fluxonomia 4D.
- A nova economia é baseada no intangível, na criatividade, no conhecimento e na cultura. São valores que não se esgotam. De nada adianta ter recursos ambientais ou financeiros se não houver conhecimento e pessoas para trabalhar com eles. Para sair dessa situação paradoxal de escassez, diante de tantos recursos abundantes, é preciso dar visibilidade e atribuir valor a recursos e resultados nas quatro dimensões da sustentabilidade – afirma.
Para Lala, somente esse sistema permite fazer a transição de uma economia de consumo (modelo de competição e escassez) para uma economia do cuidar (modelo de colaboração e abundância).

Ler 6 vezes

SYMRISE COMPRA A BRASILEIRA CITRATUS

A casa de ingredientes cosméticos alemã Symrise, selou acordo para a aquisição de 100% das ações da casa de fragrâncias brasileira Citratus.

Leia Mais

CONSUMO, PADRÃO QUE SE REPETE

Alimentos mais baratos e alívio na dívida das famílias permitiram retomada dos gastos. Mas PIB com esse perfil tem fôlego curto.

Leia Mais

CÂMARA APROVA REFIS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto que cria um programa para micro e pequenas empresas parcelarem as dívidas com o Simples Nacional, o chamado Refis do Simples.

Leia Mais

75% DOS PEQUENOS LOJISTAS NÃO SABE LIDAR COM RIVAIS VIRTUAIS

Enquanto grandes varejistas correm para integrar as operações física e digital, essa realidade está muito distante das pequenas lojas.

Leia Mais

PROFISSÕES: O QUE VEM POR AÍ

Em todas as áreas, mercado terá espaço para talentos digitais, como programadores e gestores de pesquisa e segurança da informação.

Leia Mais

PREFERÊNCIAS E VALORES QUE DEFINEM O CONSUMO

Pesquisa da GfK Brasil, mostra quais são as principais tendências em curso que estão influenciando o modo de consumir dos brasileiros.

Leia Mais

UMA REFORMA PARA O BRASIL DE HOJE E DE AMANHÃ

Entender direitos e deveres, estar aberto ao diálogo e evitar revanchismo. É assim que patrões e empregados, na opinião do especialista no tema, José Pastore, devem agir diante da nova legislação trabalhista.

Leia Mais

MINERVA PREVÊ CONSOLIDAÇÃO DOS NEGÓCIOS E APOSTA NA AMÉRICA DO SUL

Para 2018, a Minerva Foods aposta na consolidação de suas operações após a aquisição de nove unidades da JBS no Paraguai, Uruguai e Argentina ao longo deste ano, além da reabertura da unidade de abate de Mirassol d´Oeste, em Mato Grosso.

Leia Mais

ORGÂNICO POR UM BOM MOTIVO

O mundo caminha para um consumo cada vez maior de alimento orgânico.

Leia Mais

VENDA VIA CELULAR DISPARA E LOJA FÍSICA SENTE MENOR IMPACTO DA BLACK FRIDAY

A edição deste ano da Black Friday serviu para consolidar a venda virtual como protagonista para negócios.

Leia Mais

DESPERDÍCIO NOS ALIMENTOS

Conscientização e mudança cultural são pontos-chave para transformar perdas em ganhos

Leia Mais

JBS ADERE AO REFIS COM DÍVIDA DE APROXIMADAMENTE R$ 4,2 BI

A JBS aderiu ao programa de refinanciamento de débitos tributários da União, o chamado Refis, para regularizar valor nominal de aproximadamente R$ 4,2 bilhões, gerando uma economia total de R$ 1,1 bilhão, informou a processadora de carnes em fato relevante.

Leia Mais

UNILEVER ADQUIRE MARCA DE CHÁS TAZO

A Unilever comprou a marca de chás Tazo, da Starbucks, por US$ 384 milhões.

Leia Mais

MARFRIG E MINERVA GANHAM ESPAÇO NO MERCADO COM CRISE DETONADA PELA JBS

Embora o quarto trimestre seja aguardado pelos frigoríficos, por tradicionalmente ser o melhor do ano para as vendas de proteína animal, o período ainda deve ser marcado por desafios, especialmente para a JBS.

Leia Mais

BIODIESEL - PRODUÇÃO AUMENTARÁ 31% EM 2018

O Brasil deverá produzir quase 31% mais biodiesel em 2018, refletindo a antecipação em um ano do aumento da mistura do produto ao diesel, para março, em uma decisão tomada pelo governo e que deve ter efeitos positivos para a indústria de soja.

Leia Mais

Assine nossa newsletter

Tenha todas notícias no seu email.

Assinar

Newsletter


Preencha com seu nome e email os campos abaixo

É gratuito!!