Quarta, 29 Novembro 2017 18:27

VENDA VIA CELULAR DISPARA E LOJA FÍSICA SENTE MENOR IMPACTO DA BLACK FRIDAY

Avalie este item
(0 votos)

A edição deste ano da Black Friday serviu para consolidar a venda virtual como protagonista para negócios.

Na última sexta-feira, o avanço no ambiente digital foi de 10,3% - com destaque para o comércio via smartphone, que saltou 41% ante edição de 2016. Na outra ponta, as lojas físicas sentiram menos o impacto da data, com avanço de 4,9%.
"O Brasil caminha para consolidar as principais características do evento em solo nacional, que ainda é recente no calendário do varejo. Acredito que esse movimento de comparador de preços virtuais deu ao consumidor mais segurança para tomar a decisão de compra, e esse movimento deve continuar nos próximos anos", afirmou a professora de macro economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Carolina Ambrósio.
De acordo com dados da Ebit, que mensura o varejo virtual, a Black Friday deste ano movimentou R$ 2,1 bilhões, alta de 10,3% na comparação com a edição de 2016, quando foram transacionados R$ 1,9 bilhão. "O número de pedidos cresceu 14%, de 3,30 milhões para 3,76 milhões, enquanto o tíquete médio caiu 3,1%, de R$ 580 para R$ 562, na comparação entre os períodos", diz o CEO da Ebit, Pedro Guasti.
Segundo o executivo, a consultoria já esperava queda do tíquete médio da edição deste ano. "Para atrair o consumidor, os varejistas fizeram ações promocionais mais agressivas nas categorias de maior valor agregado, que são as mais consumidas no e-commerce", afirmou.
Para Guasti, o grande destaque foi o expressivo crescimento no volume de pedidos, que foi quase o dobro do estimado pela Ebit. "Ao contrário das duas últimas edições, que foram pautadas pelo crescimento no tíquete médio, neste ano o grande vetor da expansão foi no número de pedidos. Lojistas de todos os segmentos ofereceram produtos com descontos reais e isso atraiu o consumidor", afirmou.
A força do celular
Dentro da operação on-line, o maior avanço em vendas, pedidos e marketshare se deu entre as compras realizadas pelo smartphone. "O share de pedidos feitos via celular aumentou 81,8% na comparação com o ano passado. Quase 30% dos pedidos já são realizados por meio de dispositivos móveis", afirmou Guasti, lembrando que, em quatro anos, o m-commerce sextuplicou. "Em 2013, as compras por celular representavam apenas 4,4% do total. Com a expansão do mercado de smartphones e do acesso via 3G e 4G no Brasil, esse é um mercado em franca ascensão, com potencial de crescimento bem acima da média do mercado", afirmou.
De acordo com ele, o m-commerce somou 26,5% em volume financeiro das compras on-line, alta de 41,5% ante 2016. "O valor médio das compras através de dispositivos móveis foi de R$ 515, reflexo da maior participação de categorias de menor tíquete."
Os dados apresentados pela Ebit referem-se ao faturamento dos dias 23 e 24 de novembro mas, a partir do próximo ano, irá contar também com as vendas na véspera da Black Friday dia 23 de novembro. "A quinta-feira já é parte da Black Friday e deve ser somada ao resultado do evento", comenta André Dias, COO da Ebit.
Lojas físicas
Enquanto o varejo virtual reportou um aumento de dois dígitos nas vendas deste ano, entre as lojas de rua e de shoppings o impacto foi um pouco menor. Entre os dias 24 e 26 de novembro esses lojistas sentiram alta de 4,9% nos negócios firmados, ante ao crescimento de 11% verificado no mesmo período de 2016, segundo o Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio - Black Friday 2017. Durante a semana da data, de 20 a 26 de novembro (Black Week), as vendas caíram 0,8% sobre um ano antes. "Os dados revelaram que a Black Friday é um fenômeno de curtíssimo prazo pois, apesar de várias lojas terem anunciado ofertas desde o início da semana, as vendas somente cresceram na sexta-feira", disseram os economistas da Serasa, por meio de comunicado.
Reclamações
Segundo levantamento do Reclame Aqui, até a meia-noite de sexta-feira, foram feitas mais de 3.503 reclamações, aumento de 17,1% em relação ao mesmo período do ano passado. O principal motivo é a propaganda enganosa, que atinge 13,5% das queixas. Divergência de valores e problemas para finalizar a compra foram reportadas ao lado de reclamações por dificuldades de finalizar compra (9,6%) e divergência de valores (8,8%).
"O consumidor está mais preparado e aprendeu a detectar se as ofertas são verdadeiras ou não", comentou o diretor de marketing do Reclame Aqui, Felipe Paniago, ressaltando que o brasileiro esperava volumes maiores de descontos. "Descontos de 50% não aconteceram muito e era o que o consumidor estava esperando. Produtos com 20% são considerados com boa oferta."
Em 2016, o Reclame Aqui apurou 2,9 mil reclamações no evento, sendo 22% das queixas sobre propaganda enganosa. Um ano antes, foram 4,4 mil queixas sendo a propaganda enganosa o principal motivo de reclamação (36,2%).
O número de reclamações reportadas ao órgão oficial de defesa do consumidor, o Procon, é menor que do Reclame Aqui. De acordo com balanço divulgado pelo Procon- SP, até as 11h de sexta-feira foram 160 reclamações.

Ler 73 vezes

BRASIL NA ROTA DO ENVELHECIMENTO

O Brasil terá mais idosos do que crianças e adolescentes, de até 15 anos, no prazo de duas décadas. O dado está em projeção divulgada pelo IBGE, no mês de julho, que aponta que o Brasil está em trajetória de envelhecimento e, em 21 anos, o número de idosos, com...

Leia Mais

OMO GANHA EMBALAGEM DE PLÁSTICO RECICLADO

A linha do lava-roupas Omo Multiação, produto da Unilever, ganhou uma edição especial com embalagem produzida com plástico reciclado recolhido do litoral brasileiro.

Leia Mais

MERCADO DE LIMPEZA DOMÉSTICA CRESCE; ATACAREJO SE DESTACA ENTRE OS CANAIS E PRATICIDADE GANHA IMPORTÂNCIA

Em uma época na qual o termo "tempo é dinheiro" não poderia ter uma conotação mais literal, as escolhas de consumo têm sido diretamente impactadas pela necessidade da realização de tarefas da forma mais prática possível - segundo a Kantar Consulting, 82% dos consumidores buscam cada vez mais formas de...

Leia Mais

PARA VENCER A RAZÃO...

No caos que nos atordoa, às vésperas de uma eleição que nos parece imprevisível e decisiva, o que nos consola é saber que o tempo que vivemos vai passar um dia.

Leia Mais

RENDA DE 35% DOS BRASILEIROS É INSUFICIENTE PARA PAGAR AS PRÓPRIAS CONTAS

A renda de 35% dos brasileiros é insuficiente para pagar as contas em dia, mostrou levantamento feita pela CNDL e SPC.

Leia Mais

INTERNAUTA TEM MIGRADO COMPRA POR MARCAS MAIS ECONÔMICAS

O internauta brasileiro está trocando marcas de alimentos mais caras por outras mais econômicas. É o que mostra um estudo do Ibope Conecta sobre alimentação. De acordo com a pesquisa, 69% dos ouvidos estão trocando por alimentos de marcas mais baratas.

Leia Mais

PREÇO DECIDE COMPRAS ONLINE

Levantamento afirma que 67% dos consumidores de lojas virtuais de fora do país consideram que produtos com valores menores são a principal vantagem. Entre os itens mais comprados, estão roupas, calçados e acessórios. 

Leia Mais

FGTS CONSIGNADO

O Ministério do Trabalho está dando os retoques finais num projeto para alavancar os empréstimos consignados para o trabalhador da iniciativa privada, atrelando como garantia os recursos do FGTS. A proposta, que terá que passar pelo crivo do Conselho Curador do FGTS, vai baixar os juros do consignado para o...

Leia Mais

BRASIL FICA ENTRE OS ÚLTIMOS EM RANKING DE CRESCIMENTO

Expansão foi uma das piores em lista de 43 países, superando apenas Hong Kong e México.

Leia Mais

NAS LOJAS, JUROS NAS ALTURAS

Varejista é mais tolerante com devedor para manter relação.Redes ganham com parcelamento. Para consumidor, todo cuidado é pouco.

Leia Mais

CLIENTES DO ATACAREJO VOLTAM A PROCURAR MARCAS LÍDERES

Os clientes do atacarejo voltaram a priorizar as marcas líderes na hora de montar a cesta de compras, principalmente em itens básicos, como arroz, feijão e óleo de cozinha, Para 58% dos clientes que consomem estes produtos, a marca é mais importante do que o preço.

Leia Mais

CERVEJAS APOSTAM EM MACONHA PARA CRESCER

O que as cervejarias americanas estão fazendo para se proteger contra a queda no crescimento de sua principal operação? No caso da empresa mãe da Corona, investindo com força na indústria da maconha.

Leia Mais

MARFRIG VENDE KEYSTONE E SEU VALOR ENCOLHE R$ 397 MILHÕES

Operação com a americana Tyson Foods por U$ 2,5 bi não foi confirmada oficialmente. Para analistas, mudança ajudará a reduzir endividamento.

Leia Mais

INADIMPLÊNCIA DEPENDE DE EMPREGOS E RENDA

O número de brasileiros inadimplentes se mostra estável, mas em patamar elevado.

Leia Mais

DADOS MOSTRAM RETOMADA DE CENÁRIO NO BRASIL

Os indicadores macroeconômicos recém divulgados mostram que voltamos, em partes, ao cenário anterior à greve dos caminhoneiros, mas a demanda segue fraca com a manutenção da desconfiança e do desemprego alto.

Leia Mais